Lema da Central Musical: Anos 80

Não é necessário gostar de tudo, mas por que não conhecer? - Uma audição crítica de todos os álbuns lançados na década de 80.

Debut - Iron Maiden

13 de jul de 2010 comentários: 4
**Semana comemorativa ao dia do Rock - só álbuns CLÁSSICOS!**

Eddie e cia
O que é isso?






Ficha corrida da banda:
Nacionalidade: inglesa
Período de atividades: 1975 até hoje
Site oficial: http://www.ironmaiden.com/
Estilo/Gênero: Rock/Heavy Metal, NWOBHM
Álbuns de estúdio: 15 (até a presente data)
Membros em 1980: Paul Di'Anno (vocais), Dave Murray (guitarra), Dennis Stratton (guitarra, backing vocals), Steve Harris (baixo, backing vocals), Clive Burr (bateria).

Bio - 1ª Parte

a donzela de ferro
O líder, compositor e baixista de grande talento Steve Harris concebeu a banda em 1975 após deixar seu antigo grupo, o Smiler. Convidou seu amigo, o guitarrista Dave Murray, para juntar-se ao projeto do Iron Maiden. O nome foi inspirado na leitura de O Homem da Máscara de Ferro, de Alexandre Dumas, onde havia um instrumento de tortura que teve papel importante na trama: a iron maiden (donzela de ferro, veja a foto).

Teve várias formações nos primeiros anos, tudo por causa de disputas internas e incompatibilidade de gênios, teve até um vocalista que cuspia fogo nos shows. Demoraram para formar um line-up definitivo.

A coisa só foi melhorar quando apresentaram Paul Di'Anno para a banda. Não tinha lá uma grande voz, mas sua presença de palco e interpretações eram fora de série, e mais, encaixavam perfeitamente com a proposta da banda na época que era a de incorporar os riffs elaborados, inspirados pelo Black Sabbath e o heavy metal, com a agressividade e crueza do punk. Paul Di'Anno tinha toda essa intensidade.

a demo
Em 1978, gravaram sua demo de quatro faixas (entre elas "Prowler", que abre o disco de hoje). A aceitação no mundo do metal foi instantânea, o que motivou a contratação da banda  no ano seguinte, para participar da gravação da coletânea de bandas "Metal for Muthas" (saiba mais na leitura relacionada indicada abaixo), e de sua consequente turnê. A crítica dizia que o que eles faziam não era o heavy metal do Black Sabath e muito menos punks, mas sim uma "evolução" do heavy metal, uma nova vertente, o que foi rotulado de "new wave of a british heavy metal (nova onda do heavy metal britânico), ou NWOBHM.

O sucesso da banda crescia com os inúmeros shows motivados pelo disco Metal for Muthas. À época, eram imbatíveis no palco e todos os garotos queriam tocar e cantar como eles, só que, ao contrário do punk, para tocar as músicas de NWOBHM, o sujeito tinha que realmente dominar os instrumentos.

Em 1980 sai o primeiro álbum da banda, que reúne os sucessos dos shows e da demo em versões mais caprichadas. Virou um marco, influenciou praticamente tudo que veio depois em termos de heavy metal e é justamente considerado um dos maiores clássicos do gênero.

Leitura relacionada:


Debut (1980)





Cotações da crítica especializada:
All Music Guide (0 a 5): 4,5

Ouça aqui o disco completo


Sujestão: Procure ler enquanto escuta as músicas, observe as contagens de tempo. Alguns termos técnicos podem ser facilmente interpretados com uma audição mais atenta.

Obs.: As faixas Transylvania e Phantom of the Opera estão com os nomes invertidos na playlist.

Faixas/Destaques

01 - Prowler
00:00 - As guitarras começam duras e "certinhas", uma em cada canal de gravação; com aquele cuidado para não sairem do tempo, talvez inseguras... Aí entra Paul Di'Anno (00:27), a segurança em pessoa, e leva o som da banda para outro patamar, começa a curtição! O baixo de Harris conduz às mudanças de tons, pelo menos duas vezes antes do refrão (00:46 e de novo em 00:56). 01:25 - Só a guitarra do canal esquerdo mandando o riff, 01:32 - a cozinha (baixo e bateria) sinaliza e em 01:46 as guitarras voam em intervalos de terças a uma velocidade estonteante com o baixo e a bateria em seu encalço, até que em 02:00 a bateria acelera ainda mais o andamento, a guitarra solo decola empurrada pela guitarra base e pelo baixo virtuoso, que só de ouvir já fico com os dedos doendo! 02:20 - volta a força vocal de Di'Anno em andamento acelerado conduzindo a música de volta para o tema inicial e para o refrão em seguida. Ele é repetido e encontramos o final da música em 03:52. Sensacional!

02 - Remember Tomorrow
00:00 - O baixo abre com arpejos, as guitarras dão o clima e a bateria indica a entrada para o vocal. As guitarras partem também para os arpejos, mas independentes, um belo trabalho de coordenação. 01:00 o lirismo do vocal muda para o vigor e a banda cresce em fúria, mas ainda não é o clímax, em 01:18 tudo é retomado. Depois de um super agudo de Di'Anno (02:07), o andamento muda (02:24), para mais rápido, lógico, entra o poderoso riff da guitarra base que prepara a cama para a guitarra solo. 02:55 - um novo riff é apresentado, que serve de ponte para mais um solo em 03:08. 03:37 - os arpejos do início são repetidos, assim como o vocal lírico (03:58) e toda a estrutura seguinte.

03 - Running Free
00:00 - A bateria abre seguida do baixo que mostra o tema. A guitarra joga acordes longos complementando o tema e em 00:27 entra um Paul Di'Anno alucinado e cheio de pegada iniciando sua parte neste hino (sensacional, e tem gente que não gosta do cara...). 00:39 - um dos refrões mais conhecidos do heavy metal! 01:13 - o solo de guitarra. 01:27 - a ponte e o refrão 01:49. Estrofes e o refrão conduzem até a cadência em 03:08.

04 - Phantom of the Opera
00:00 - A introdução é executada pela guitarra e pelo baixo acompanhando a melodia. 00:15 - as guitarras partem oitavadas de forma ascendente até eclodir no riff mortal em 00:21 com a bateria quebrando tudo. 00:57 - o vocal entra fazendo a melodia que foi apresentada no início pela guitarra, entremeada pelo riff. Tudo é repetido. 02:05 - o andamento muda, fica sincopado e o vocal faz um fraseado punk (não gostei dos backing vocals). 02:47 - o último acorde da frase musical possibilita nova mudança de andamento, agora fica mais lento, a guitarra sola sentida, e depois de sua última nota (em 03:19), o baixo toma conta com arpejos nas cordas mais agudas e é seguido em 03:16 pelas guitarras oitavadas. 03:39 - volta a bateria, entra mais um baixo ascendente (gravação? A outra guitarra nos graves?). 04:20 - power chords. 04:33 - de novo o andamento sincopado. 04:52 - um bela variação do tema com as guitarras oitavadas e em 05:09, finalmente o solo principal. 05:27 - a segunda guitarra assume o solo (é nítida a diferença de timbre). 05:44 - elas voltam a oitavar e trazem de volta o riff secundário (06:02), e depois o principal (06:18) com a quebradeira da bateria. 06:35 - Paul Di'Anno retorna cantando a estrofe e conduz a música ao seu fim em 07:03.

05 - Transylvania
00:00 - um acorde é esmirilhado na guitarra, um segundo acorde entra em  00:12, até que a banda engrossa o riff em  00:22. Tudo é retomado em 01:37. O riff principal é apresentado em 01:47 com a guitarra solo arrepiando em segundo plano. Depois de sair de cena, assume o solo a segunda guitarra em 02:49. 03:41 - início da cadência e um fim arpejado e sem distorção.

06 - Strange World
00:00 - no rastro da anterior, seguem os arpejos da guitarra. O clima é amenizado e em 00:42 entra um belo fraseado lento da guitarra, que entrega a música de bandeja para o vocalista (01:28). 02:59 - novamente a guitarra mostra que também sabe tocar levemente. 03:45 - o canto repete a estrofe com pequenas variações.
 
07 - Sanctuary
(Já comentada no disco Metal for Muthas, segue transcrição) Acelerada, pesada e com a pegada única de Paul Di'Anno. Solos frenéticos e técnicos. Bateria incendiária. Ótima para os nascentes "headbangers".

08 - Charlotte the Harlot
00:00 -  o riff principal já aparece de cara. 00:21 - Paul Di'Anno dispara e chega ao refrão pela primeira vez em 00:49. Em 00:56 o tema veloz é repetido. 01:26 - início da ponte que conduz a um andamento mais lento que inicia em 01:34 com uma bela melodia do canto (apesar de parecer faltar a voz em alguns momentos). 02:48 - marcação rítmica e solo poderoso da guitarra. 03:20 - o tema é repetido mas de forma mais acelerada. 03:55 - uma variação criativa (03:57), para o fim em 04:12.


09 -  Iron Maiden
À mil por hora a banda entra com o mais puro heavy metal. A melhor performance de Paul Di'Anno ficou para o final. Potência e intensidade: suas maiores características. Gosto muito de Bruce Dickson, mas de uma maneira diferente, também aprecio o trabalho de Di'Anno. Enquanto um é mais lírico e teatral, o outro é mais peso e contundência. E você, o que acha?


Opinião de minha filha Ravena, uma legítima representante da geração séc. XXI
 
"Iron Maiden é minha banda favorita! Sério, amo de paixão. Eu gosto de quase todas as músicas do Iron Maiden, mas sempre tem as favoritas, no caso desse álbum são quatro delas: Running free, Phanton of the Opera, Sactuary e claro, Iron Maiden. Eu particurlamente não gosto de Paul Di'Anno (primeiro vocalista) prefiro o vocalista atual (Bruce Dickinson). Quanto a Harris, adoro-o não só como baixista, mas também suas composições. Adoro também a dupla Murray e o atual guitarrista Adrian Smith."


Esse é apenas o primeiro artigo especial em comemoração ao DIA DO ROCK. Aguarde mais clássicos durante a semana!

Não esqueça de comentar!

comentários: 4

Tiago Camilotti :

O Iron Maiden é uma banda do c#*¨#@!%¨%!

Melhor que ler o seu texto (muito bom por sinal) é ouvir os clássicos de DEBUT... muito foda.

Feliz dia do Rock!

Rodrigo Nogueira :

Obrigado Tiago, pela força e pela presença!

Legal que curtiu.

Feliz dia do rock pra vc tb!!

Vanda :

Olá!! Te vi lá no canal de 'Blogueiros' do Ver!


Já te sigo.

Abração \\o

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante, todos que são publicados são respondidos, mas antes de escrever, verifique as normas do blog:
Você pode: Opinar, elogiar, criticar, sugerir, debater e discordar.
Mas NÃO PODE ofender, insultar, difamar, divulgar spam, fazer racismo, ou qualquer tipo de conteúdo ilegal, além de usar palavras de baixo calão de maneira gratuita.

Obrigado por sua visita, fico na expectativa de seu retorno!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...